domingo, 4 de agosto de 2013

na fila, no banco

outro dia fui encerrar minha conta em um banco e fiquei esperando até ser chamada.

foram mais de trinta minutos ali quietinha, recostada. meu celular estava sem sinal no lugar, o que me fez questionar porque não tinha trazido um livro. não havia nada para fazer a não ser registrar o tamanho da lerdeza daquele sistema, uma vez que apenas duas pessoas estavam na minha frente, ambas sem serem chamadas tal como eu. e então eu comecei a fazer o que se faz quando não se tem nada a fazer: observar os outros. 
à primeira vista o que me chamou a atenção foram os apitos constantes e perturbadores. era aquela maldita porta rotatória com detectores de metal. um moça tentou passar e apitou, teve que voltar e deixar o celular. "não há nada mais chato que essa porta", pensei em silêncio. a moça tentou de novo e lá soou o apito. uma leve bufadinha e lá estava ela novamente, colocando as chaves e voltando para a porta. percebi como seu humor já parecia diferente. o apito soou de novo.  "ô moço, pelamordeDeus, já tirei tudo!". o segurança deu uma olhada em sua bolsa e a deixou passar. quanta chatice!
a cena se seguiu repetidamente com pessoas diferentes. teve o motoboy alegando que era o zíper do casaco que fazia apitar, o rapaz no celular que disse estar numa ligação importante, a própria funcionária da loja, alegando ser a fivela da bota. mas eu tive vontade de rir foi mesmo com uma senhorinha. na primeira vez ela tentou não tirar nada. "piiiiiiiiii". voltou e deixou o relógio. "piiiiiiiii". voltou brava, deixando a chave de casa e uma bolsinha de moeda. "piiiiiiiiiii". fiz leitura labial e li "oxe, negócio besta". ia arrumando os cabelos, pondo atrás das orelhas, na testa já escorria suor, as bochecas vermelhas. "piiiiiiiiiiiiii". "ai, ave maria, mas que diacho". por fim, tirou o guarda-chuva. não pude compreender porque ela não colocou o guarda-chuva antes. mas assim conseguiu passar. entrou falando sozinha, erguendo as mãozinhas e dizendo até que enfim em alto e bom som. fiquei sem graça quando a vi se sentando ao meu lado, pois assim percebeu que eu a estava observando. 

se sentou ao meu lado, guardando as coisas de volta na bolsa. cansada, me disse "dá até pra entender porque é que o povo vira devedor. ter que aguentar uma agonia dessa todo mês, Virgem Santa. quanto nervoso! dá vontade de gritar pro segurança e dizer: eu só tô querendo pagar minhas contas". fiquei com medo de dizer a ela que estava na fila errada e que a do caixa era logo adiante. fui salva pelo telão que soou outro apito. número 023. lá fui eu, enfim fechar minha conta.

6 comentários:

Ana Luísa disse...

Se tem um lugar irritante nessa vida esse lugar é banco! Céus! Demoram horrores pra atender, e a gente realmente fica ali, assistindo todo mundo ser barrado por aquela porta chata...
Beijos amiga!

Gabriela, disse...

Vou começar a frase que nem Analu: Se tem um lugar...que eu mais gosto de observar as pessoas esse lugar é banco. Eu adoro! Claro, detesto a fila, e morro de ódio da porta maldita, mas amo observar as pessoas, o mau humor que vai crescendo à medida que o tempo vai passando... hahahah
As pessoas, elas são incríveis. :)
Beijo! <3

Paloma disse...

Banco é um lugar realmente muito divertido de se ver gente. Acho que é o dinheiro que faz isso com a gente. Quanto à abençoada porta giratória: vou pelo mais fácil e tire qualquer coisa que guarde alguma semelhança com metal antes de entrar na bendita. Mais fácil guardar depois do que ir e voltar mil vezes. Mas é questão de segurança.

Beijos, Flá!

Mayra disse...

Morri de rir! Coitada da velhinha! HAHAHAHAHAHAHHAAH
Mas banco é um saco mesmo, eu já deixo a bolsa inteira ali e quero nem saber! Não sou obrigada a ficar indo e voltando! hahahaha
Ótima crônica! tô ansiosa pra ler as outras!
Abraços!

Bruna Gabriela disse...

Estou rindo até agora rs.
é ótimo ver as reações das pessoas em locais públicos.
Mas coitada da moça. Vou continuar rindo dela por um tempo.

Bárbara disse...

ahahahahahha. Juro que ri MUITO. ri ALTO aqui no trabalho mesmo. ahahaha amiga, eu juro que imaginei você imitando a velhinha. Sabe que acho que você tem um outro dom, além de escrever e ensinar seus queridos alunos.... Você e minha mãe na minha opinião são as pessoas que mais sabem imitar outras e situações engraçadas....ahaha poderiam trabalhar na TV.. comediantes? Talveeez... hahaa

Luuuv