quarta-feira, 30 de outubro de 2013

incompletude

eu não sei mais a quem recorrer.

já desci esses joelhos em assoalho frio centenas de vezes pedindo para anjo da guarda, espírito protetor, santo rápido, Virgem Maria cheia de amor. já pedi para as amigas me escutarem os lamentos novecentas e trinta e sete vezes, e engulo meus medos e inseguranças todo o restante do tempo. eu simplesmente não sei mais o que fazer.

acho que sou viciada em você. tenho todo o conhecimento do que me atrai e me faz querer continuar a te colocar na minha vida: você tem um charme que me domina, eu gosto das suas piadas e por menos que eu goste, você me conhece como só eu. além de tudo isso, eu gosto de quem eu sou com você. sinto que não me falta absolutamente nada, que eu poderia estar largada nua e pobre em qualquer rua e calçada e ainda assim me sentiria completa simplesmente por estar ao seu lado, por estar com e ter você. é um sentimento maluco, eu sei. logo eu, que nunca fujo muito do script daquilo que acho que a vida deve ser, me imaginando ser qualquer coisa e largando tudo simplesmente pelo fato de ter a certeza de te ter. mas eu não tenho.

e é aqui que mora o maior problema de todos. é aqui que eu me perco. porque se você fosse uma palavra, você seria dúvida. um enorme ponto de interrogação. e é por isso que apesar de nunca ter ficado bêbada eu tenho ressacas morais homéricas depois que te encontro. porque se quando estamos juntos eu vejo o céu, é na sua ausência que eu me angustio com o inferno. eu não sei o que você quer da vida. eu nem sei o tamanho do seu amor por mim apesar de medir em quilômetro o quanto eu queria esse querer. a única certeza que eu tenho de nós, sou eu. eu sou a prova de que é possível amar sozinho, e impossível ser feliz assim. e fico detestável com você longe de mim. é ainda pior quando te encontro porque a consciência da minha incompletude cai pesada sobre mim, como um cubo de gelo enorme que me jogam no colo e que eu me esforço loucamente para não deixar derreter.

eu não sei mais o que fazer.
eu não sei mais a quem recorrer.

14 comentários:

Bandys disse...

Ola Fla,

Sabe, as vezes podemos ver por outro angulo e tirar o cinza dos olhos.

,“Que todo dia ao acordar e deitar pra dormir, ele ouça eu dizer o seu nome baixinho nas minhas preces, e sorria por isso daquele jeito bonito. Que, não importa o tamanho da distância, nunca esqueça que o fato de existir mudou pra sempre a minha vida e que o mundo me pareceu muito mais bacana depois que descobri que existia.

Beijos menina

Bruna Gabriela disse...

Lindo texto, gostei das palavras. Só não gostei do fato de você estar um pouco mal.
Recorre a Deus, Ele tem todas as respostas que a gente precisa.
E na hora certa a sua resposta chegará;

Beijoss

Ana Flávia Sousa disse...

Me identifiquei TANTO com esse começo. De não saber o que fazer, a quem recorrer... No meu caso, não é sobre um alguém, mas sim à vida!
As vezes me desespero com as coisas pequenas sabe? Um projeto na faculdade, uma responsabilidade no trabalho, a responsabilidade do casamento... e rezo e peço e oro!

Não sei se é conto, ou realidade, mas achei tão palpável estas suas palavras que quase pude tocá-las e senti-las, como se fosse eu a passar por este amor distante e presente. Achei forte, incrível.

Continue sempre rezando, porque cara, é a única força que a gente realmente tem. :D

Beijão, e obrigada pelo carinho no Pratododia! Amei!

Blackbird disse...

Adorei a forma como escreveste o texto e espero sinceramente que consigas superar isso :)

Ana Luísa disse...

Amiga, você sabe que sou suspeita pra dar pitaco, porque por mais crises que esse seu amor tenha, eu acho ele maravilhoso e lindo. E torço pelo final feliz.. Mas torço tanto.. <3

aline disse...

sabe que isso aí parece uma das minhas mil e novecentas e trinta e duas histórias de amor fracassadas?

a vida não tá fácil, o tempo tem me faltado, a inspiração tem me deixado de lado, mas prometo tentar voltar, mesmo que aos poucos, aos trancos.

saudade de seus escritos.

AC disse...

A forma de escrever é envolvente, prende em cada pormenor.
Quanto à sua questão, nestas coisas não há receitas, só saberá a resposta se for em frente.

Beijo :)

Tary disse...

Amiga, a única coisa que posso te dizer é: quando estiver triste, pode aparecer no meu chat ou no whatsapp. Odeio de ver triste e, assim como Analu, torço pelo seu final feliz. Te amo <3

Jéssica Teles disse...

Adorei *-*
E eu também tava com saudades daqui!
"ressacas morais homéricas", com certeza!

beijo, beijo!
Goiabasays

Alessandra Rocha disse...

O minha barbie! Vemk *abraço*
já senti tanto essa agonia que sei como alguns conselhos são inuteis, não gosto de ver quem eu gosto sofrendo, mas não dá pra fazer muita coisa quando essa dor escolhe a gente né?
Apenas tenha força e saiba que você tem um batalhão de garotas prontas pra te amparar de braços abertos quando as coisas ficarem muito pesadas.

Já te amo viu?
beijos

Kamilla Barcelos disse...

Flá, achei maravilhoso o seu texto. E ao ler eu fui meio que me reconhecendo nessa sua agonia. Torço que tudo dê certo!

Anna Vitória disse...

Ah Flá, muito ruim passar por essa agonia toda. Me dói o coração ler essas palavras vindas de você, dói mesmo. Stay strong, sua linda!
beijos <3

Larissa Bello disse...

As dúvidas em relação uma outra pessoa é realmente agoniante. Mas, é preciso lembrar que as dúvidas foram feitas para nos mover internamente e não para nos paralisar. Permita então que elas te movam para outro lugar, outro pensamento, outro olhar.

Bjos!

Gabriela Couth disse...

Ver uma pessoa linda como você escrevendo todos esses posts sofridos mexe com o meu coração. Fica bem, amiga. Respira mais um pouco.

E que Deus dê uma resolução nessa história toda... Beijo!