segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

telepatia

quando a gente viaja, ele dirige e eu sigo no banco do passageiro.

vamos conversando quase o tempo todo,o som ligado criando nossa melodia. mas às vezes nos calamos e estes são momentos tão especiais quanto cantar o cd inteiro do los hermanos, fazendo uma garrafa crystal de microfone. no silêncio, na ausência da obrigação da conversa, nos respeitamos.

deixamos que o assunto finde e mergulhamos com tranquilidade num mar de cumplicidade onde só nós dois estamos autorizados a explorar. não sei o que ele pensa. me perco nos meus milhares de pensamentos, mal consigo contá-los e então, no meio disso tudo, ele pega na minha mão. entrelaça os dedos da sua mão direita nos dedos da minha mão esquerda e pousa na minha coxa. uma metáfora perfeita das nossas vidas. neste momento vivemos nossos pensamentos solitários, juntos. assim como nossas vidas que seguem seus rumos na certeza da companhia, uma estrada inteira de mãos dadas.

e quando divago sobre tudo isso ele me surpreende. pega minha mão, leva até sua boca e ali repousa um beijo. me olha em seguida, um olhar breve, de esguelha, a estrada segue e ele não pode se distrair. mas eu entendo o que ele diz. é o que eu também digo quando retribuo esse olhar e quando me pego perdida olhando pra ele nas mais diversas situações do dia a dia. 

"eu te amo. a vida é melhor agora que tenho você. eu te admiro. eu te respeito. eu conheci o mundo que existe dentro da palavra amor. eu quero passar o resto da vida ao seu lado. eu sou feliz assim hoje e sei que serei amanhã. eu não temo o amanhã. vamos construir uma família juntos. somos um em dois."

tudo isso em fração de segundo. sem dizer palavra, de mãos dadas. telepatia em forma de amor. 

3 comentários:

Ricardo Monteiro disse...

É melhor assim. Se a gente pode ver e sentir, não existe necessidade de ouvir, ou ouvir se torna um detalhe desnecessário. O olhar diz muita coisa, sempre.

Bjs,

Lu Sam disse...

Ai que bonito deu até uma tristeza em uma vontade de viver algo assim rs
Beijos

Lu Sam disse...

Ai que bonito deu até uma tristeza em uma vontade de viver algo assim rs
Beijos