segunda-feira, 29 de julho de 2013

no silêncio da lembrança

eu pensei nele na semana passada.

lembro de ter fechado os olhos e percebido o quanto ele deixou coisa boa na minha vida. nós nunca sabemos ao certo o tipo de lembrança que deixamos na vida de alguém. nem que tipo de lembrança uma pessoa pode deixar em nossa vida. é só depois de um tempo, quando a vida, os anos ou até nós mesmos por livre e espontânea vontade , nos afastamos daquela pessoa em particular é que percebemos que tipo de marcas elas deixaram em nós. algumas deixam marcas negativas, outras positivas. há quem não deixe nenhuma. eu prefiro a primeira e a segunda.
e foi quando eu pensei em você, um pensamento involuntário, embalado pelas notas musicais de iris tocando na voz da avril lavigne em alguma rádio boa, que eu percebi que você só deixou coisa gostosa. senti vontade de te ligar, de saber como você estava, de perguntar do que gosta de saber, te contar que aprendi a tomar cerveja e que a gente até podia se trombar em um dia qualquer em bar nenhum pra falar o que anda se passando na vida de cada um. mas contive esse pensamento e essa vontade me dizendo que a gente nunca sabe o tipo de lembrança que deixou na vida de alguém e que talvez eu pudesse ser o tipo de pessoa que não deixou nenhum tipo de marca em você. me contive.

acontece que esse negócio de pensamento bom e forte funciona de um jeito incrível e hoje eu te vi. antes disso, ouvi seu sobrenome sendo dito ali no altar e fiquei te procurando no meio de tantos rostos comuns, tentando te identificar naquele meio e repetindo em minha cabeça que aquilo não era uma loucura a mais. mas quando se está na casa de Deus as respostas vem ainda mais rapidamente e ali você estava recebendo abraço do padre, as mãos nas costas, os dois olhos verdes perdidos em algum canto da imagem da Virgem Maria. e antes que meu consciente me fizesse perguntas sobre o que é certo ou errado, me vi falando "oi" e te dando um abraço apertado que não só buscava te reconfortar, mas também te dizer 'olha você só deixou lembrança boa na minha vida, eu pensei em você semana passada, e como você parece adulto e grande e bem, apesar das circunstâncias'. e então você me disse bem baixinho um 'obrigada, flá. obrigada, flá', assim com eco e me abraçou forte os dois lados do braço de volta e me olhou rapidamente com aqueles olhos verdes, benevolentes, talvez me dizendo tudo aquilo que a situação não nos permitia dizer. e então eu vim embora com o coração no alto pois eu sei que deixei em você o mesmo que você deixou em mim.

como é bom saber que deixamos lembrança e marca boa na vida de alguém. eu hoje vou dormir feliz.

3 comentários:

Bruna Gabriela disse...

Que coisa mais linda.
Senti tanta emoção nesse post, tanto amor, tanta sinceridade no sentimento.
São as coisas boas que ele deixou na sua vida.

Luiza Fritzen disse...

Confesso que eu tenho esse medo, de não ter deixado marcas nas pessoas assim como elas deixaram em mim. É engraçado a gente parecer tão pequena pra quem pode nos significar tanto. Bonito mesmo é quando é assim, compartilhado. Tu teve sorte guria, beijinho

Ana Luísa disse...

Ai, Flá. Você e seus textos maravilhosos! Amei, pra variar. Espero de coração que eu tenha deixado muita lembrança boa na vida dos outros.. Bom pensar que certas pessoas pensam em mim sorrindo, assim como eu sorrio ao pensar nelas..
<3