terça-feira, 9 de julho de 2013

do sentimento mudo

eu fico pensando o que seria se tivéssemos nos encontrado na solidão.

o que poderíamos ser, o que teríamos sido. imagino nossos diálogos noite adentro, a companhia quente em uma madrugada fria, o criado-mudo cheio de livros, o abajur cansado de tanto trabalhar e seu peito descoberto fazendo papel de travesseiro para o meu descanso. eu consigo imaginar as conversas, você me dizendo sua opinião sobre o último filme e discussões gostosas sobre o último livro do llosa, nossas leituras contrárias criando uma nova maneira de entender o que interpretamos, uma felicidade completa por descobrir o que juntos nos tornamos.
eu imagino nosso casamento, eu entrando de vestido branco simples e você me esperando no altar, seu rosto surpreso ao me ver subir no palco pra cantar composição feita pra você, meu coração saltar ao ver que você preparou o mesmo em melodia diferente. eu vejo nossa casa, branca, clara e florida, tendo em cada canto a felicidade detalhada, um cômodo de marfim para os nossos livros chamarem de morada, um porta-retrato nosso no hall de entrada.
eu me vejo em você. me enxergo em seus sigilos, me encontro naquilo que você não diz, me enxergo em seus discursos apaixonados de olhos tão claros imensidões de mim. e não entendo porque tanta ironia da vida te levar pra tão longe, me esfregando sua presença assim tão de perto, não entendo obra de quem foi tornar errado o que era pra ser certo, não entendo a razão de te encontrar com o peito fechado logo quando o meu resolve ser aberto. e sinto raiva dos casais opostos que atravessam as ruas, daqueles que não se completam mas vivem a vida de alegria nua, enquanto nós que nascemos tão siameses, almas tão exatas em um mundo perdido, precisamos nos contentar com "bons dias e boas tardes" e sorrisos simplistas de distantes amigos. logo nós que fomos feitos de palavras, termos que nos esquivar de nossos sentimentos que gritam já quase surdos, enquanto nós dizemos em olhares desviados um discurso de eu te quero muito, completamente mudo.


eu fico pensando o que seria de nós se tivéssemos nos encontrado na solidão. 

20 comentários:

Daíse Lima disse...

E quando a gente se apaixona por um cantinho e não quer mais sair?!
Adorei o seu cantinho!!!!
Voltarei sempre!!!!
Beijos!!!

Antônio LaCarne disse...

o texto de tão lindo, me fez querer viver algo parecido. os dias estão duros, mas o coração quer aquele sangue da paixão.

abraço!

Gaby Soncini disse...

Tão lindo, tão e tão!

Beijos!

Ana Luísa disse...

Ai Flá... Podia colar esse texto pra uma pessoa.. :(

Bárbara Barbosa disse...

que delicadeza de texto! amei amiga!!

Larissa Bello disse...

Texto extremamente romântico. Dentro daquilo que considero ser romântico, que é um lugar, apenas um lugar. Abstrato e não concretizado, situado no espaço e no tempo, dentro somente da nossa mente.

Bjos!

Cássia Vicentin disse...

Esses encontros em meio a solidão fazem bem para a alma.

Beijos
www.procurei-em-sonhos.com

Jéssica Teles disse...

um encontro assim, eu já tive, e vi a gente e principalmente os meus pensamentos/expectativas descritos aí, rs.
Agora meus livros precisam de um canto pra chamar de morada.

beijo, beijo!

Goiabasays

Lilica disse...

Flá...nem tenho o que comentar. Vontade de chorar com esse texto tão lindo, tão profundo, tão sincero, e tão....tão eu! Acho que você soube retratar o sentimento de muitas de nós!!! Beijos

Mayra disse...

Esse texto veio tanto a calhar no meu dia de hoje que deixarei um comentário mudo, pois minhas palavras perderam-se em meio a tamanha sensatez.
Abraços!

Mayra disse...

Esse texto veio tanto a calhar no meu dia de hoje que deixarei um comentário mudo, pois minhas palavras perderam-se em meio a tamanha sensatez.
Abraços!

Letícia Giraldelli disse...

Flá! Você é sempre muito encantadora e só pra constar... Mega me enquadrei nesse texto! hahaha

vontade de mandar um ctrl v por inbox =p

Bruna Gabriela disse...

Lindo texto.
Emocionante.
Mas o que será se?
Nada!
Ainda pode ser se você quiser e confiar.

livroseoutrasfelicidades disse...

Queria deixar um comentário à altura do texto, mas só vai sair um "que lindo, parabéns".

Mari disse...

As vezes eu me coloco no lugar da pessoa de quem você fala. De quem desperdiçou uma boa chance por uma duvidosa. É complicado...
Nunca tive esses sonhos, de casinha branca e florida e ver o noivo no altar. Mas acho bonito, e muito mais válido que uma vida corrida e solitária na cidade.
Vai ver é uma coisa do tempo. Quem sabe se mais pra frente essa ironia não é uma parte necessária da tua história?

Milla Pupo disse...

o sentimento pode ser mudo, mas mostra muito ;)

Tay disse...

Que texto lindo...os desencontros, quem saberá explicá-los? Grande dúvida minha.
Ei, te indiquei numa TAG lá do blog: http://despindoestorias.com/2013/tag-11-fatos/
Beijo!

Stella Rodrigues disse...

Mas que saudade de sentir isso. Que saudade de ler aqui também. Saudade desse mundo onde a cada leitura a gente sente vivendo um pouquinho do outro.

Nathy disse...

Own... tão lindo! Também desejo muita coisa aí...

Daniele C. S. disse...

Eu to gostando tanto de seu blog, tem umas coisas que eu penso, outras que eu queria escrever também, esse texto mexeu comigo, ficar pensando nas coisas que poderiam e deveriam ter sido dói um pouco.