sábado, 23 de março de 2013

da felicidade


vocês sabem que eu lido com crianças diariamente. 

é um dos maiores encantamentos da minha profissão. acordar cedo, chegar na escola e ser recebida com beijos e abraços e carinhos. não são todas as pessoas que são agraciadas com tantos elogios quanto eu sou antes de chegar às oito e meia da manhã. "teacher que vestido maravilhoso!", "adorei a cor do seu esmalte!", "teacher você é linda todos os dias mas hoje está parecendo uma princesa". é de desmanchar a alma, eu sei. e eu me desmancho. me encanto com o quanto elas conseguem ser observadoras. notam que troquei de colar, de brinco, que mudei o corte do cabelo ou que fiquei mais loira, coisas essas que nem meu  pai que me vê todo santo dia é capaz de notar. há uma necessidade de atenção muito grande na maioria delas e uma represa tão repleta para dar e receber amor que nesses dias me perguntei quando é que isso se esvai. quando é que essas crianças tornam-se adolescentes e perdem a inocência dessa entrega, desse jeito leve de ver e receber a vida. e me consumo muito, pois existem em cada sala de aula rostinhos que já não se permitem amor e espontaneidade. parecem ter sido picados com antecedência pelo bicho da preocupação, do receio, do medo, da indiferença e na maior parte das vezes, da desconfiança. é um caminho sem volta, isso eu posso dizer, pois já tentei uma porção fazê-los regredir e aproveitar o que lhes é próprio da idade mas nao há como. uma vez picados, nunca mais crianças. é uma pena. 

mas é primoroso. vivo dizendo que aprendo muito mais com eles do que eles aprendem comigo, e todo mundo acha que é besteira mas não se deparam todo dia com  rosto feliz de uma menina só por ter ganhado um adesivo de estrela. não percebem a felicidade de uma criança quando uma borboleta entra na sala de aula e não veem os brilhos nos olhos de todos, a vontade de tocar, e nem se surpreendem diariamente com bilhetinhos que dizem "você é a melhor professora do mundo" ou "eu te amo titxer". resumindo, não entendem que eles me ensinam diariamente, diferentes modos de achar alegria no lugares mais improváveis  com uma facilidade incrível. dia desses, meus alunos aprendiam sobre algumas profissões e perguntei para cada um deles o que queriam ser quando crescer. um deles me lembrou uma frase célebre de john lennon sem querer, porque depois de muito pensar me olhou com suas duas esmeraldas e disse: "sabe, na verdade, eu queria ser tranquilo, sabe teacher?". "como assim, pedro? tranquilo?" - a classe inteira já ria e dizia, 'não pedro, você está sempre voando, entendeu errado e blábláblá' - "não sei explicar, teacher, tranquilo. eu não pensei no que eu quero fazer mas eu quero fazer uma coisa boa pra mim e pros outros e não ser um homem stressado sabe?". ele estava querendo dizer que só quer ser feliz.

vocês entendem? é por esse tipo de coisa que quando eu deito a cabeça no travesseiro digo, obrigada, meu Deus. é por esse tipo de coisa que eu sou e ando tão feliz...

8 comentários:

Esquilinha Esquilo disse...

Que lindo o seu blog! Adorei!
Virei mais vezes!
:*

Thay disse...

Que graça, Flá! Quem não consegue enxergar esse tipo de felicidade realmente não sabe o que está perdendo. E esse aluno, Pedro, mais sábio do que muito adulto! Querer ser tranquilo é ótimo pra vida. :]
Beijo!

Marina Melo disse...

Amiga, que delícia! Me deu vontade de ter alunos. Rsrsrs! Meu sonho era conhecer esse Pedro! Que graçaaaa

Mia Sodré disse...

Sabe aquele calorzinho no peito acompanhado de um sorriso bobo que se sente quando algo simplesmente faz bem? Então. É o que senti ao terminar de ler esse texto.
Coisa mais querida! ♥

paula disse...

:)
também trabalho - há pouco tempo - em uma escola. mas esse tempo já foi suficiente para perceber que quando as crianças perdem a inocência antes do tempo, fica difícil tê-la de volta.

onde trabalho há várias crianças de abrigo e aí é mais evidente tanto o carinho quanto a agressividade...

mas é sempre gratificante ver o desenvolvimento da personalidade de pequenos "Pedros", como seu aluno!

adorei o texto.

Letícia Giraldelli disse...

Você está de volta, <3
E af meu, deve ser uma doçura trabalhar com crianças!
Então, tu é professora de inglês, é?! Que gracinha, tu!

Pedro é poeta desde criança... Do bem! Esse é dos meus! :))

beijos

Nathy disse...

Flá, eu entendo perfeitamente toda as suas palavras. Convivo diariamente com crianças, assim como vc e consigo imaginar todas as cenas que vc relatou. São presentes de Deus na nossa vida e esse dom que temos é o dom de poucos... Pq muitos atuam na profissão, mas esse dom de amar, é para poucos!
Beijos, querida! Que Deus te dê sabedoria e essa alegria de conviver com pequenos anjos, todos os dias!

Bárbara disse...

Como eu amo você Amiga!!!!

=)

A melhor teacher, amiga e pessoa do mundo!!!