quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

retiro

tirei férias de mim.

é involuntário, perturbador e adorável. involuntário porque quando venho para cá nesse retiro de terra de quase ninguém, onde a praia não tem orla e a farmácia mais próxima fica a sete quilômetros de distância, não penso em me desligar das minhas neuras, mas sim em concentrar toda a minha energia na família querida, na minha leitura estimada, no meu amor enlouquecido...em mim. perturbador porque só aqui pude perceber o quanto tais neuras me constroem, o quanto me ocupo em me preocupar com o presente e o futuro e o quanto me abraço firmemente em memórias de um passado que nem em filme é tão cheio de flores quanto o que me vem em mente. adorável porque só assim pude perceber o quanto é maravilhoso ter deixado as neuras em são paulo e poder curtir esse lado meu tão mais leve, mais solto, tão desprendido e ao mesmo tempo tão parte constituinte de mim. acabou que eu achava que chegaria aqui e colocaria todo o foco de atenção no que quero, naquilo que almejo ou desejo para mim em 2013 e assim notei que me desprender de tudo isso, de todas essas metas inconscientemente exigidas foram o caminho mais fácil para eu me encontrar como exatamente sou. ou exatamente aquilo que eu pensava que sentiria ao conseguir alcançar as metas traçadas. em paz.

eu estou em paz. me peguei me perguntando se gosto mais da pessoa que eu me transformo aqui ou daquela que sou em são paulo e percebi que não há necessidade nem de pestanejar. sou fã de mim aqui. e mais: essa primeira não é a pergunta correta, mas sim: quem é a verdadeira eu? qual das duas é fabricada? qual das duas é a ideal? é quase impossível encontrar consenso para as três perguntas, mas o veredito final é lindo. a resposta pra mim pouco importa. eu nem ligo.

feliz 2013!

13 comentários:

Nina disse...

Você será sempre você, independente do local que esteja. O que existem são diferentes níveis de felicidade. E você se enxerga melhor por aí. Um descanso rumo só auto conhecimento e muito bom, flor. Abraços.

aline disse...

ai que delícia, flá!
bom começar o ano assim, sem as perturbações paulistanas!

feliz 2013, que seja um ano doce e de muito amor por si mesma.

um beijo, querida.

Tary ♥ disse...

UAU. Nunca sei o que comentar aqui porque você sempre me rouba as palavras com esses textos, Flá! Às vezes a resposta não importa mesmo e às vezes, nem a pergunta. O importante é a gente se sentir pleno.


Beijos e feliz 2013!

Ana Luísa disse...

Nenhuma das duas é fabricada, Flá. As duas são você. Todas as mil facetas de você são você. Tem uma frase que eu acho ótima que diz: "Você é o que você finge ser, então, cuidado com o que você finge ser".
Como é bom a gente tirar esses retiros, hein.. Dá uma paz..
Beijo e feliz 2013!!! <3

Dani disse...

São Paulo é barulhento demais. Um pouco de silêncio e paz fez com que você se conhecesse melhor, é ótimo descobrir nossas facetas e atitudes.

Beijos

L.H.C disse...

estar em paz consigo mesmo deve ser um estado muito bom de se ficar, espero alcançar isso um dia.

p.s obrigada pela visita! ;)

Felicidade Clandestina. disse...

Deixou de ser cinza e passou a querer ser colorida sempre! Linda, linda. Que esse ano que entra, deixe a porta bem aberta pro sossego entrar. <3

Felicidade Clandestina. disse...

Deixou de ser cinza e passou a querer ser colorida sempre! Linda, linda. Que esse ano que entra, deixe a porta bem aberta pro sossego entrar. <3

Nati disse...

Ficar em paz é bom para organizar a vida e os pensamentos. Beijos

Aurora disse...

É bom ficar em paz por um tempo, se descobrir. E se gostar mesmo do que é por aí, quando voltar se leve junto.
Beijo.

Luana disse...

Esse é o lado bom ter que agradar apenas a si mesma.

Feliz 2013!

Pri Dotta disse...

Eu me sinto exatamente assim quando vou para o sítio super distante onde nem celular, nem telefone, nem tv pega. Hahaha a paz que se sente em lugares extremos é muito gratificante, a cachoeira a mata, o ar fresco é tudo tão tranquilo que você se esquece de tudo. Mas, ainda sim somos nós mesmos... Não mudamos de pessoa quando mudamos de lugar, apenas mudamos as diretrizes... Amei o texto, parabéns Flá! Escreve muito bem! E muito obrigada pela visita no meu blog, será sempre bem-vinda. Beijão, até mais (:

Cris disse...

Não tem coisa melhor do que fazer isso: se desprender das neuras! Pena que parece que não dá para fazer isso todo dia né? Mas o pouquinho que fizermos, já ajuda a gente a viver um pouco mais feliz rs
E logo você se encontra, provavelmente você é um pedacinho das duas, só precisa descobrir qual você quer que tenha mais peso na sua balança interior ;D
Beijos! =**