quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

minhoca de metal


estava um calor infernal quando ele entrou cantando.

mais uma coisa pra me tirar do sério, pensei. já não me basta o calor, já não me basta o casal de adolescentes se beijando sem pudor ao meu lado e o bando de gente mal educada, ainda tenho que aturar um louco cantando às seis horas da tarde de uma sexta feira. percebi um tumulto na entrada do vagão e quando as portas se fecharam eu me perguntei que desafiávamos a física com a quantidade de pessoas que dividiam o metro cúbico. e o moço: o espaço é curto, quase um curral. no balanço do para-e-vai do metrô um senhor de calça surrada e unhas de graxa se equilibra não sei de que maneira enquanto conta as moedinhas de uma mão pra outra. e o moço: o troco é pouco, é quase nada. o troco é pouco, é quase nada... comecei a achar a voz dele bonita. uma menina maquiada reclama da trombada que leva do cara tatuado e ele ri junto ao moço de terno, numa intimidade recém adquirida enquanto falam "quer conforto, paga um táxi". e o moço: não se anda por onde gosta mas por aqui não tem jeito, todo mundo se encosta. já estou completamente apaixonada pelo moço cantando. o metrô para, as luzes se apagam e o calor fica ainda mais insuportável. só restou a voz do moço, a melodia afiada, e todo mundo olhando, encantados como  eu. o casal parou de se beijar, o senhor guardou as moedas, a moça bonita comum e normal, o tatuado e o de terno e o vagão todo se achando mais um do Brasil da central. ali, na minhoca de metal. e o moço: como um concorde apressado, cheio de força, voa voa mais pesado que o avião, o avião, o avião do trabalhador. o nosso avião, penso. e quando vejo, estou entoando o refrão com todo o vagão, me sentindo tão forte e frágil. ôôô ô. my brother.

demorou, mas rolou gente. este post faz parte do letra e som e foi inspirado na música cheia de força do rappa, rodo cotidiano. cheia de versos lindos e duros, como a vida do trabalhador brasileiro.

10 comentários:

Bruna Gabriela disse...

Lindo!
Como sempre, arrasa com as palavras.

Bruna Gabriela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Larissa Bello disse...

Sensacional, Flá!
O seu texto ficou super visual e musical. Dava até pra ser um curta-metragem!

Bjos

Rick disse...

Gosto do seu blog. Da tua maneira. "_"

Tay disse...

Que texto lindo, poético, e eu adoro essa música! ;)

Bárbara Barbosa disse...

Nossa. eu adoro essa música também amiga!!! E adorei a menira que você escreveu esse texto.
Imaginei meu dia a dia no metrô de São Paulo, ou melhor, da "minhoca de metal".

um beijo.

amo vc

Prisca, insana criança disse...

Como é gostoso ler teus textos.
Sabe, eu era apaixonada por blogs, criei os meus e os abandonei, junto com minha paixão por blogs e música. Retomei minha paixão, e ler as suas palavras me fez lembrar o porque de eu gostar tanto de ler os textos e pensamentos de outros.
Voltarei por aqui.

Luísa Chaves disse...

Adorei seu blog! Com certeza voltarei mais vezes!
E esse texto? Ficou belíssimo, de um jeito musical delicioso de ler!
Parabéns!

Letícia Giraldelli disse...

Simplesmente maravilhoso! Eu amo escrever/ler textos assim! De fatos que poderiam acontecer e que as vezes passam despercebidos!

Amei :)

Aline Netto disse...

Sempre maravilhoso!

Bjs
Aline
http://www.alinenetto.com.br