segunda-feira, 12 de novembro de 2012

então deixa ser


é uma vida torta, rápida, aos goles trôpegos a que se bebe na adolescência.

não se tem o controle de si próprio. e foi assim, sem pensar, sem querer notar, que ela se viu apaixonada pelo cara que a melhor amiga foi a fim a vida inteira. e foi assim, sem pensar, sem notar, que ela se viu entre a cruz e a espada, torcendo para que a amiga desse certo com ele e assim ela tirasse esse desequilíbrio da alma. mas mentia pra si mesma noventa e nove por cento do tempo, pois no fundo o que mais desejava era que ela lhe virasse de repente e dissesse: "tô em outra". mais ainda: "ele é todo seu". mas não foi o que aconteceu. o que houve foi uma noite de chuva depois do colégio com ele lhe dando olhares cheios de vontade, emprestando o agasalho, pedindo que ela segurasse o telefone. ela feliz, o coração pulando, doloroso. ele está a fim de mim! ele está a fim de mim! e ela está a fim dele. ai meu Deus, e ela está a fim dele! porque tinha que escolher o cara errado? mas ele não gostava dela? então não estaria errado o amor da amiga? e ali estava ela, ele, uma festa sem a amiga e um beijo. um beijo enorme, delicioso sem fim. era capaz de fugir! era capaz de rodar o mundo atrás dele, esquecer a vida, nome, sobrenome! e manteve um jogo duplo. enquanto ouvia a amiga chorando as pitangas dizendo "ele está em outra", recebia mensagens sms marcando encontros à noite. qualquer um a julgaria. ela própria o fazia. era errado, ela não prestava, não valia um centavo, mas amava os dois verdadeiramente ainda que quem me leia não acredite. a vida na adolescência é confusa e regras são feitas para ser quebradas. durou pouco. mês e meio, talvez menos. descobriram e a rotularam de fura-olho, falsa e trambiqueira pouco antes do fim do ano. perdeu os dois de uma lavada só e quase não compareceu na festa de encerramento tamanho era o medo e a vergonha. e ali um pouco antes de ir embora, olhando para a amiga ressentida, cantou os versos que lhe iam na alma e que descreviam tudo o que sentia por ela no momento "se eu pudesse desfazer/tudo de errado entre nós/e apagar cada lembrança sua que ainda existe em mim/ por que gostar de alguém vai ser sempre assim / irreversível", mas no final já não sabia se cantava pra ela ou pra ele, todo bonito, ali no canto, o cabelo bagunçado, a calça caindo. tão lindo!

post inspirado na música irreversível do cpm 22 que ganhou a votação do letra e som essa semana. foi mais difícil do que eu imaginava mas foi inspirado em fatos reais - veja lá, não meus! e quem assiste malhação também não vai achar mera coincidência. aliás, vocês são team lia ou team jú? e tem votação aberta aqui

13 comentários:

Tha'li disse...

É realmente complicado estar em uma situação dessas...

Jú disse...

Oi...

Não assisto Malhação, mas posso me considerar team jú, só pelo nome em comum, rs!

Acompanha seu blog a pouco tempo, por causa do Letra e Som. Quando eu vi a votação que tinha a música Use Somebody,votei pra ela, porque precisava de um texto sobre essa música (preciso ainda)...

Enfim, é um pedido fofo pra que, mesmo pós derrota, você escreva um texto inspirado nela!

Obg, bjs...

Sofia A. disse...

Sabe que eu também adoro escrever com base em letras de música? Volta e meia, escutando algum artista que eu gosto, eu fico imaginando a história por trás da letra e ás vezes acaba saindo um continho.
Eu também acharia essa música muito difícil, mas, acho que você deu uma solução criativa...
Obrigada pelo comentário no meu blog, por ter me achado!
Beijo!

Ana Luísa disse...

Isso é tenso. Mas como eu entraria em parafuso se visse uma amiga minha com um cara de quem eu sempre falei pra ela, tendo a defender esse lado da situação..

Palavreando Emoçoes disse...

Olá,
Gostaria de informar que desativei o blog “Vê se ri um pouco”, que estava com problemas de ordem técnica que não consegui solucionar, mas abri um novo blog, que já tem uma nova postagem. Se quiser pode me seguir e me ler neste novo espaço. Beijos. Te seguindo, novamente rsrs.

Endereço: palavreandoemocoes.blogspot.com
Gislãne Gonçalves

Morgan Nascimento disse...

Olá, parabéns pelo blog!
Se você puder visite este blog:
http://morgannascimento.blogspot.com.br/
Obrigado pela atenção

Amanda Souza disse...

Posso dizer que realmente foi baseado em fatos reais... da minha vida! Mas hoje em dia eu falo com a menina, mesmo que não sejamos tão amigas e há pouco tempo estou solteira, mas meu relacionamento não durou uma semana e meia e sim um ano e meio!
Lembrando agora, é gostoso de lembrar das confusões, mas na época foi bem sofrido :/
A música casou direitinho com o texto!
Beijinhos

hiperbolismos.blogspot.com

Renata Bittes disse...

Vixe, situação complicada. Mas eu jpa estive do outro lado. A menina não era tão amiga minha assim, tava mais pra colega de sala. Mas a sala inteira sabia q eu era afim do carinho do primeiro ano. Nós éramos da oitava. No fim da história ela namorou mais de um ano com ele. E eu, nada. rs Mas tudo passa. Faz tempo que não ligo mais pra isso, pr an dizer anos. rs

Saudade de vc!
Bjs

Jéssica Teles disse...

Ah como sempre eu adorei, haha! E fico cada vez mais fã daqui :)

Beijo, beijo!

http://goiabasays.blogspot.com

Aurora disse...

Amei, amei e amei! Lindo aqui!
Obrigada pela visita!
Beijo.

Thais I. disse...

E depois me perguntam o porquê de eu ter medo de paixão. Olha aí, o estrago que faz.

Anna Vitória disse...

Que bom que não estou tão obcecada pela Malhação que estou vendo pelo em cabeça de ovo! Assim que comecei o texto me lembrei da novela, e gostei de ver que você mostrou o outro lado. Normalmente as histórias sempre falam da menina traída, mas nunca da que traiu, do que a levou a trair. Acho que a Lia errou sim, mas, sinceramente, eu não sei o que faria no lugar dela. De forma distante a gente sempre jura de pés juntos que seria leal e jamais cairia nas graças do outro, mas a vida é tão diferente!
Já passei por algo meio assim há anos. Gostava de um menino mas ainda não estava muito certa disso, por isso não comentei nada com minha melhor amiga. Até que um dia ela disse que estava olhando pra ele de um jeito diferente, então eu disse algo do tipo: então ferrou, porque eu gosto dele também. A gente conversou e decidiu que ele iria escolher, já que vivia borboletando ao nosso redor, e que a outra, por mais difícil que fosse, deixaria o espaço livre. E ele escolheu minha amiga. Lembro até hoje do meu melhor amigo contando pra nós duas que tinha conversado com ele, que confessou que estava gostando da Anaisa. Meu Deus, como aquilo me doeu! Passei o resto da manhã chorando no banheiro. A história deles durou uma semana, porque minha amiga viu que na real não gostava dele de verdade, que era só uma quedinha e acabou terminando com ele.

Eu era amiga do menino e assim continuei, e alguns meses depois ele se declarou pra mim. Mesmo achando meio bizarro aquele troca-troca de meninas acabei me jogando pra não ficar eternamente pensando o que teria acontecido se eu tivesse ido em frente. Ficamos "juntos" algumas semanas, eu descobri que ele era meio louco, terminei e hoje eu e minha amiga rimos horrores dessa história. Ainda sou amiga do menino, mas ele finge que nada aconteceu, hahaha. Vai entender.

Beijo, Flá!

Danni Rossi disse...

Que bonito post! histórias da vida, aiai.
Obrigada por comentar no blog :)
boa semana!