terça-feira, 11 de setembro de 2012

a bença

eu queria ver os seus olhos azuis de novo.
 
assim pequeninos, por trás do óculos mesmo. sentir o cheirinho da sua pele, passar as mãos pelo seu braço de pelos tão claros e quase brancos, ouvir meu sotaque preferido. nunca vi olho azul tão bonito quanto o seu e me dói pensar que nunca mais os verei de novo. dói pensar que já faz tanto tempo e que tanta coisa aconteceu na minha vida mas que você nunca vai ver, nunca vai registrar, pelo menos não de corpo presente. pode até ser, e eu quero mesmo que seja, que você esteja aí em cima ou bem aqui do meu lado agora sentindo e assistindo a tudo isso. mas meu egoísmo é grande e eu já sou adulta o suficiente pra assumi-lo e dizer o quanto que eu queria que você estivesse aqui, assim palpável, nesse instante. e em tantos outros!

como quando eu tirei a minha carta e fui dirigir pela primeira vez, ou quando me formei na faculdade e coloquei beca preta com faixa azul. quando eu ganhei meu carro e chorei feito criança, quando o brasil perdeu a copa de novo e eu quase morri e quando eu decidi mandar todo mundo pra cucuia que eu queria era ser feliz. eu queria você aqui. e não conto mais em anos a sua ida porque com o tempo aprendi duas coisas pra lá de doloridas  que são: saudade não cicatriza e não obedece às leis do tempo. há vezes que o nó é tão grande que eu tenho vontade de me trancar e chorar. outras vezes é o oposto, sua lembrança é tão viva e boa que eu dou risada sozinha. sinto falta da sua risada, do seu rosto vermelho que nem pimentão, rindo e batendo as mãozinhas. eu sinto saudade de você, e hoje ela tá doendo apertado do tipo que tira o sossego e o sono. vou rezar pra sonhar com você hoje, tá? você pode aparecer de branco de preto da cor que quiser, do jeito que você quiser. mas me deixa te abraçar, te dar um beijo na testa e dizer que te amo ? deixa eu falar com você, sentir você, deixa? fazer um pedido. pedir: bença, vô.
boa noite.

14 comentários:

aline disse...

ô meu deus, não sei se tenho andado mais sensível que o comum, mas me emocionei.
como é com ter alguém assim pra lembrar. há um tempo eu fiz um texto assim pra minha vó. ela tinha imensos olhos azuis e era de uma ternura sem fim.
a saudade que sinto, a saudade que você sente... eu gostaria de ter tido ela em outras partes do meu caminho também.

que saudade boa, que saudade boa...

Ana Luísa disse...

Você sempre me mata com esses teus textos pro seu avô... São maravilhosos...

Antônio LaCarne disse...

lindas essas lembranças. coisas simples mas que nos enchem de encanto. :)

Bruna Gabriela disse...

Nossa
Me emocionei demais lendo isso.
Lindas palavras!

Marina Melo disse...

Também sinto isso pelo meu avô, saudade que dói demais.

Larissa Bohnenberger disse...

Lindas lembranças! A saudade é uma coisa boa, apesar de doer às vezes. Mas é ela que permite que a gente não esqueça de quem foi importante.

Bjs, Lari!

Veronica Rodrigues disse...

Posso sumir, e quando volto o que vejo é algo lindo. Adoro suas palavras! com carinho.

Mayra Borges disse...

Me fez chorar agora e muito, esqueci o que ia dizer, mas as lágrimas e o sentimento nem sempre e na maioria das vezes não tem tradução. Só posso agradecer por esse texto incrível e pelo recado que ficou gravado na minha alma, apenas isso. O nó ainda está na minha garganta...

www.eraoutravezamor.blogspot.com

Sofia Carolina disse...

Caramba, me emocionei demais! Lindo seu texto!
Mesmo eu não tendo muita ligação com meus avós, me deu um aperto no peito, sabe?

Tenha um bom final de semana! :)

Gabriela Freitas disse...

Brotou lágrimas nos meus olhos, lembrei de algumas pessoas importantes, que não estão mais aqui, doeu.
texto incrivelmente lino, flá

Cássia Vicentin disse...

Nossa, tô chorando aqui... Lembrei bastante do meu avô (que já se foi, e deve estar jogando xadrez com o seu, em algum lugar do infinito). Não consigo descrever o que estou sentindo, mas obrigada por me fazer sentir tudo isso.

Emilie S. disse...

que lindo. esse eu suspeito de ser apenas ficção.
Emilie Escreve~ | Fanpage

Marcela ツ disse...

Chorei. Podia?
Pq a falta do meu avô é imensa aqui dentro... e às vezes morro de vontade de escrever pra ele também.
Muitas saudades de você... seu blog continua espetacular. Voltarei sempre que puder.
Beijos

Nina disse...

Eu sei o quanto você sente a falta dele. Seus escritos estão impregnados e vigiados pelos olhos azuis dele. Este espaço tem a permissão e bênção dele. Seu avô em nada está dissociado daqui.
E ele sabe disso.
Abraços.