terça-feira, 10 de abril de 2012

por que não eu?

foi numa conversa boba, sobre desenhos animados da infância que tudo começou.

ela era simplesmente a amiga de uma ex qualquer, mas me fez amaldiçoar o mundo por não tê-la encontrado antes. era extremamente leal e eu sabia antes mesmo de perguntar que ela jamais me daria uma chance sem a autorização da outra. mas no fundo eu duvidava que um dia ela me desse uma chance de qualquer maneira. ela era tão leve. tinha um sorriso de orelha a orelha e um dentinho torto bem ali na frente, como moldura, deixando a obra prima. era apaixonada por um mané qualquer que fazia tudo errado, fumava, bebia, não se penteava nem nada, mas a tinha. mesmo não querendo a tinha. e então eu era travesseiro, almofada, conforto pra quando ela precisava... e como eu queria que ela precisasse. quantas vezes eu não liguei perguntando "qual é a boa pra hoje a noite?" e ouvi um surpreendente "meus edredons e livros" em pleno sábado. eu me espantava com a sua autenticidade, com o seu nãotônemaípratodomundo, com a sua ausência de vontade de sair pra uma balada e sua sinceridade em falar pra todo mundo. ela tinha tanta certeza que éramos só amigos que me convidava pra pagar a conta da renner em uma terça feira de noite, ou pra assistir filme água com açúcar em um domingo sem sal. mais ainda: eu passava uma hora me arrumando e passava para buscá-la no meu melhor estilo pra ela entrar no carro com o cabelo pingando porque "tava muito calor pra secar e ele precisa descansar um pouco dos maus-tratos diários". toda linda. sempre. um dia, depois de mais de ano nessa vida, saímos de um filme e no topo de um shopping mal iluminado, mas repleto de estrelas, enquanto ela desajeitada, tentava tirar algumas fotos da lua, eu deixei escapar: "sabe o que eu queria? te dar um beijo". e ela, rápida: "então dá". e aqui ele está, na minha memória, guardado em uma caixa bem no meio do meu peito, etiquetado com o nome dela. no mesmo lugar em que guardo a imagem dela indo embora, nos braços dele, ouvindo o leoni entoar o "e eu com a cara mais lava digo, por que não eu? ...". mas ela vai sorrindo. vai feliz.

21 comentários:

Carol Vicente disse...

Que texto gostosinho de ler...
Eu já disse que escreves bem, né? Muito bom seu texto! Me perdi em sua história.
Beijo e até outra hora.

Gaby. disse...

Que fofo.
Voce ganhou um beijo, e guardou, bem guardado.
(:

Thay disse...

Seus textos são muito bons, deveria pensar (se é que já não pensa!) em publicar um livro com todos eles! São gostos de ler, rapidinhos até. :D
Ah, pobre pessoa do texto: estava na 'friendzone' e nem sabia. XD
Beijo!

Vanessa disse...

Lindo de doer :) Como sempre :)

Ana Luísa disse...

Você leu minha mente, porque hoje eu estou particularmente viciada nessa música, ouvi o dia inteiro, e claro, abri pra ler seu post!
Lindo! Lindo!!

Bruna Gabriela disse...

Lindo texto.
Melhor ainda inspirado nessa música linda.

PARABÉNS

Marina Melo disse...

LINDOOO AMIGA!
VOCÊ É O MEU ORGULHOOO

Drêycka disse...

Nussa! Amei... "Pq não eu".. Já me perguntei tanto isso. rsrsrs

Bjsss

Larissa Bello disse...

Seu texto é lindo! E há um tempo atrás acharia o contexto dele também lindo. Mas, cansei do meu romantismo que só trouxe sofrimentos e decepções. Hoje em dia penso assim: que filha da puta essa mulé. Beijou um e foi embora com o outro. Que safada brincando com os sentimentos alheios. Chega de me torturar! Parte pra outra. Desculpa o desabafo. Mas, já sofri muito e não quero mais essa vida de romance masoquista.

Veronica Rodrigues disse...

Porque não eu ahhh, porque não eu?

Lindo, lindo !

Monique disse...

Que texto leve... É difícil encontrar quem não se identifique com histórias como essa, né? E dá um aperto no peito, pura saudade. Lindo. :)

Também gostei muito do seu blog, viu?! Hehe

Um beijo!

Nina Vieira disse...

Às vezes não é para ser.

Stella Rodrigues disse...

Que coisa mais linda *-* na simplicidade da vida que percebemos os gestos mais verdadeiros, as belezas sem serem forçadas. E tudo isso, invejo como você escreve tão bem *-*

Paloma disse...

Adorei. Quem já não teve um desses na vida, né? Tem uma beleza poética. Mas dói!

A música grudou na cabeça agora.
Beijos!

Maria J. disse...

Que texto mais lindinho! Só não entendo se é O ou A protagonista.
Beijinhos. :3

Thay disse...

Flá, super apoio você investir nessa carreira de escritora! Talento você tem, de sobra, hehe, e um livro cheio desses contos seria irresistível. :)
Beijo, bom final de semana!

Deyse Batista disse...

Eu gostei tanto, tanto do teu texto que me senti até boba quando ao final dele eu soltei um suspiro daqueles poéticos e deixei um sorriso de canto escapar. Lindo demais!

aline disse...

beijos que são bem guardados ficam eternizados. que leve!

Yuu disse...

Como a maioria das meninas disseram: esse texto foi muito gostoso de ler. E preciso dizer: assim que deixastes o comentário no meu blog, eu dei passadinha aqui para dar uma olhada. Ouvi a música e fiquei com ela pelo resto do dia na cabeça, me proibindo de cantar em voz alta, pois caso a minha mãe ouvisse, ela pensaria bobagem. Adorei o texto. Adorei a música. Adorei o blog. :)

Beijos.

Fernanda disse...

Nossa!
Amei esse texto, quero roubar cada pedacinho dele e anotar na minha agenda! haha!
Muuuito bom Flá, continue sempre nos presenteando com seus otimos textos!
Sem contar que a música é linda!

beijos!

Thaís de Castro. disse...

Já ouviu aquelas musicas que no momento parece ter tudo a ver cm a sua "fossa sentimental" e vc quer ouvir de nv e de nv?" kkk Pois é, este é o tipo de texto que dá aquela dorzinha por vc ter se encontrado em algumas partes e dá vontade de ler de novo e de novo! ><