sexta-feira, 30 de setembro de 2011

amores estranhos

eram dois apaixonados, mas infelizes.

ela morava na casa branca de esquina, enquanto ele vivia em uma casa verde, com portões cinza, cuja tinta descascava por todos os lados. durante anos dividiram a mesma rotina, ônibus para escola, caronas na volta, bate papo em quase todas as noites, sempre na casa de um deles. na maior parte do tempo, eram amigos. escutavam música, trocavam cd's, assistiam seriados, novelas, filmes. mas olhavam-se como verdadeiros apaixonados. cada toque no corpo era uma faísca de fogo, cada carinho mais demorado um sonho bom e cada despedida provocava uma dor doída, do lado esquerdo do peito (e no direito, e em cima e em baixo e por todos os lados). nunca trocaram um único beijo, viviam na espera insegura de que o outro se revelasse, conviviam com o medo de amar e não ser correspondido e assim perder o pouco que tinham, a tal da amizade. e foi em nome dela que viveram histórias de amor com outros, que se deitaram com outros, e que falavam dos outros entre si, contando em detalhes cada experiência com um sorriso estampado no rosto que logo sumia, assim que viravam as costas e se transformavam em choros contidos acalentados pelo travesseiro.

e assim permaneceram por anos, dividindo os mesmos caminhos, os mesmos sentimentos, os mesmos medos e a mesma rua. levavam na alma aquele aperto de quem quer muito, mas recebe pouco, de quem é quase feliz, mas no fundo morre por dentro...pouco a pouco.

9 comentários:

Luna Sanchez disse...

Ai, Flá, eu jamais conseguiria viver uma situação dessas, não seria capaz de calar meu sentimento, teria me declarado tão logo tivesse a certeza.

Uma pena esse desperdício de vida, né?

=\

Beijos.

Laís Pâmela disse...

Não gosto muito desses amores estranhos, porque eles matam pouco a pouco.
Como Luna disse, eu não aguentaria calar tanto sentimento, pra mim seria como morrer afogada. Eu abriria meu coração.
É muito sentimento pra ficar retido.

Beijo.

sobrefatalismos disse...

Eu vivo assim.

Retrato em Branco e Preto disse...

Uma relação bonita que, por medo, não aconteceu. É triste, é uma lição. Se você ama, tente!

Um beijo!

Gabriela Freitas disse...

Ual, fiquei sem palavras diante da beleza desse texto

Brenda disse...

Estou seguindo, Flá (:

Lindo, lindo! Até mais.

Beijoos

'Lara Mello disse...

Espero que seja fictício, por que é muito triste isso :/

Carolda disse...

Pois é, se você ama, tente!
Já perdi um amor por não tentar, e isso me incomoda até hoje, mesmo que eu esteja vivendo um outro amor.

Beijo

Drêycka disse...

Nossa... Aconteceu já isso comigo... E quer saber? Eu chutei o pau da barraca. Mas nem deu certo. Ele se assustou, foi covarde. E hoje continuamos na mesma de amar um ao outro, mas cada um pro seu lado. E sem se falar, pq agora olhar pro outro, sorrir e conversar se tornou um assunto delicado, perigoso. Volátil. Inflamável.

:)