segunda-feira, 21 de março de 2011

pessoas

estou no final do curso de jornalismo. no final mesmo, último ano, falta super pouco. depois de tanto tempo na faculdade (são quatro anos!) vi de tudo. pessoas mudando radicalmente, pessoas só mudando o estilo, ou só o jeito de falar, e pessoas que parecem exatamente as mesmas. Não acho negativo que as pessoas mudem, pelo contrário, deve ser um saco quando elas permanecem exatamente a mesma coisa todos os anos de sua vida. é como se nada de importante as movesse e as pessoas simplesmente parassem no tempo. eu e minhas amigas costumamos chamar esse time de gente de: as pessoas em que nada na vida acontece. acho super triste. tenho até um certo pânico de gente assim, e vontade de pegá-las pelos ombros com força e chacoalhá-las bastante, dizendo bem alto olhando em seus olhos: vê se vive!

mas penso melhor e acho que não tenho direito.

mas também não gosto de gente que muda radicalmente. essas pessoas que entra uma e sai outra, que gosta de pagode num verão e no outro está abominando, que adora uma picanha gordurosa pra no mês seguinte se dizer vegetariana. dessas pessoas eu não tenho pânico, tenho raiva! como se nada naquela pessoa fosse autêntico e nenhuma de suas opiniões em algum instante fosse verdadeiro. sinto como se elas me enganassem a cada decisão e mantenho distante.

nesse ponto do post você deve estar se perguntando o que cargas d'água isso tem a ver com o começo, em que me referi a faculdade, e sinceramente eu nem sei direito, porque meu propósito era começar a escrever sobre outra coisa, que obviamente vai ficar pra outro dia. mas eu consigo estabelecer um link ótimo com o pessoal da faculdade e nisso se somam as pessoas que eu encontrei lá e quero guardar para a vida. são poucas, pouquíssimas, cabem nos dedos de uma mão e consigo pensar em outras poucas que somam a outra mão por quem eu sempre vou ter carinho. e nenhuma delas permaneceu exatamente a mesma, outras até parecem ter mudado radicalmente. mas eu ainda consigo identificá-las de uma forma ou de outra. e quero guardar delas o melhor, mesmo as coisas que não estão mais nelas. acho que já estou sentindo saudade.
quem diria?

3 comentários:

Shuzy disse...

Meu curso tem cinco anos de duração, um já foi, estou no segundo, e desde já com saudade... hehe

Tbm acho uma tragédia essas 'pessoas em que nada na vida acontece'... Tristeza ou alegria, o que eu quero é sentir!

(*=

Marina Melo disse...

Já sinto sinto saudades de te ver todos os dias, das suas ajudas, conselhos e das nossas conversas.!

Beijosss amiiigaaa

Ana Lu disse...

Ei Flá! Ahh, a gente sempre sente saudade das coisas que vivemos, mesmo antes delas terminarem. E eu também tenho aflição de pessoas estagnadas, e horror às que mudam completamente. Sempre existe o meio termo, hahaa.
Beijos querida