quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Yes, we can!


A História para mim sempre foi fascinante pela liberdade com que discorre no mundo, em progresso contínuo e sem fim. Apesar disso, senti que nos meus dezenove anos de existência não tinha em minha passagem nenhum fato de grande importância a ser contemplado. Pelo menos não um daqueles que me trouxesse orgulho e esperança- o mais longe que consegui enxergar foi o desabamento das Torres Gemeas em 2001, ao vivo, pela televisão, um fato que desencadeou muito mais regressão que progresso.

Como boa estudante de jornalismo, esperava que acontecesse alguma coisa no mundo que mudasse e que trouxesse para minha vida a adrenalina de poder dizer que eu estava ali, naquele lugar, vivendo e sentindo tudo aquilo. Esperando um acontecimento histórico que de fato me orgulhasse e me emocionasse. Aconteceu.

O novo presidente da (ainda) maior potência do mundo é símbolo de força, carisma e sem dúvidas de mudança. Chegou ao topo sem nunca destacar raça ou cor, com inteligência incrível e um discurso emocionante. É discórdia para os maiores preconceitos mundiais : é negro e tem Hussein no sobrenome. E é presidente dos Estados Unidos.

Barack Obama é acima de tudo símbolo de esperança e progresso. Demonstração clara, estampada nos jornais de todo o mundo de que "Sim, nós podemos". Podemos evoluir, que raça não mede capacidade, que podemos ter esperança de um mundo melhor, que existe um povo nesse mundo que elegeu um estadista por oito anos mas que soube votar por mudança. Barack Obama é símbolo de que nós podemos sim, acreditar. E isso é uma diferença enorme para um mundo onde acreditar está virando raridade.

Sou fã confessa de Obama e de tudo o que ele representa para uma juventude sem líderes. Vi com os olhos cheios de lágrimas sua entrada ontem para a posse. Estou vivendo este momento hoje, e já me orgulho de poder dizer que vivi, que senti tudo isso, de saber que de alguma forma minha juventude participou da história desse mundo. Eu acredito. Acredito em Barack Obama.

Nenhum comentário: