sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Tá no orkut?

Me lembro da minha vida antes do orkut, mas pouco. É como a infância antes dos 5, que a gente lembra de uns poucos pedaços, inventa outros e acaba até acreditando. Eu lembro que o grande barato para mim era trocar e-mails com amigas e paqueras - mesmo que os tivesse visto durante o dia inteiro- ou bater algum papinho no ICQ. Aquele "ó-ou" me irritava tanto na época, e hoje deixa ate saudade. Quem diria.
De qualquer maneira, naquele tempo se uma pessoa namorava, ou ficava, ou estava solteira, escolhia seu estado civil e ponto. Anunciava pra grande parte da galera, todo mundo via com os próprios olhos e tava feito. Done! Não havia muitas preocupações como tirar fotos com as amigas em micareta ou balada pra provar a solteirice, nem muitas fotos com o namoradinho, dos mais diversos angulos até achar o mais bonito. Não me lembro também de busca por textos bonitos ou elaborações particulares dos mesmos em casa para que se pudesse expô-los numa página de internet. As mensagens de carinho eram menores mesmo, dizia-se muito mais pessoalmente, e algumas outras vezes via e-mail. Eram bem escassas, mas as poucas que existiam eram verdadeiras. Não tinha a menor preocupação de mostrar para os outros quem eu era através de fotos e descrições de comunidade. Comunidade pra mim era a do bairro, da escola...
Hoje, se não tá lá não existe.
"O João terminou com a Maria!"
"Não terminou não, eles devem só estar dando um tempo, o estado civil deles do orkut está nulo"
ou
"A Maria tá ficandinho com o Zezinho, já acredita?"
"Eu percebi, ela até tirou o solteira do orkut. Só tá faltando ele pedir ela em namoro para eles ficarem juntos"

Merda de rótulos. Agora, além de nos preocuparmos com os rotineiros, com aqueles básicos à que somos acometidos, temos esse inconsciente virtual inseguro que precisa das informações estampadas em uma página de internet para que sejam verdadeiras. E não importa se a gente vê que João e Maria nem se olham mais na cara no dia a dia - se não tá declarado no orkut que estão solteiros, não terminaram definitivamente. A Maria só fica totalmente feliz de estar com o Zezinho se colocar namorando no orkut e assim vai.

Já não bastava a preocupação que nós sofremos com o telefone que não toca, qual roupa a gente coloca, agora somos invadidos por uma espécie de lei paralela da internet. Mesmo que na vida real a gente saiba o que já se tem estabelecido. Vai entender a mente humana...

Nenhum comentário: