domingo, 10 de agosto de 2008

Procuramos Independência



"Mas onde se deve procurar a liberdade é nos sentimentos. Esses é que são a essência viva da alma." - Johann Goethe

Nascemos dependentes. Não dá pra sobreviver sem alguém para nos alimentar, nos dar carinho nos primeiros dias de vida. O ser humano é assim. Leva tempo. Existem animais que levantam logo após do parto e já saem andando, procuram o que comer, se viram. Nascemos dependentes e é exatamente isso que difere o ser humano dos outros animais. Somos eternamente dependentes um dos outros mesmo quando não queremos. Dependetentes da resposta do chefe, da permissão dos pais, da bolsa de valores de Nova York, dos grandes lagartos do mundo que ditam nossa moda, das costureiras que as fabricam. Só não percebemos isso.

Independência vai muito além daquilo que costumamos nomear. Se tivéssemos levado à ferro e fogo a declaração de Independência de Dom Pedro - "Independência ou Morte !"- estaríamos todos mortos. Continuamos dependendo de outros tantos mil países, dependendo das decisões que os outros tomam, do destino, dos outros e principalmente de nós mesmos. Para mim, independência está muito ligada à liberdade e não conheço muita gente que seja livre, mas não conheço NINGUÉM que seja realmente independente. Ser independente como o próprio nome diz é não depender de nada e se não dependemos de nada somos sozinhos, solitários e egoístas. Acho bonito ser livre, mas tudo tem seu limite. Temos que assumir nosso lado humano, carente, verdadeiro e deixar de nós mascarar nessa realidade imposta pela sociedade que bom mesmo é aquele que é auto - suficiente. Dependo sim, de mãe, de pai, das moda parisiense e da bolsa de Nova York. Mas antes de tudo dependo de mim - e não depender de ninguém é a liberdade que nunca ninguém alcança. Eu pelo menos já não busco alcançar...

Nenhum comentário: